domingo, 3 de abril de 2011

Silêncios da vida

Silêncios da vida
que a vida contém
como sã guarida
dos sons de ninguém
são cristais tão leves
sempre ao teu redor
e apenas consegues
senti-los na dor
(quando te atreves
a calar o amor)…

(Felipa Monteverde)

4 comentários:

Miguel Afonso disse...

Na vida em silêncio
que em silêncio vem
trazer melodias
lembranças de alguém
há cristais tão leves
sempre ao derredor
da alma cansada
de esperar o amor.
Cristais que anunciam
desejos calados
jamais consentidos
jamais encontrados.

Nilson Barcelli disse...

Belíssimo poema.
Gostei imenso, Felipa.
Um abraço.

Felipa disse...

Miguel

No silêncio da vida
quem sabe o que vem
calar o sentido
que a vida não tem?
E o tempo que passa
jamais mostrará
onde é que a desgraça
se esconde ou está.

Beijinhos

Felipa disse...

Nilson,

Obrigada pelo comentário
bom fim de semana
beijo